Professor em destaque: Daniel Lavilla

Posted in teacher spotlight |
Teacher Spotlight: Daniel Lavilla

Em celebração do nosso exclusivo coleção exclusiva com Gerry Lopez juntámo-nos a alguns dos principais líderes das comunidades do surf e do ioga.

Entre eles está Daniel, um orgulhoso nativo de Cádiz, Espanha, cujo caminho se cruzou com o nosso através do embaixador de longa data da Manduka, @whit_hornsberger. Desde o momento em que estabelecemos contacto com o Daniel, tornou-se evidente que ele personifica uma mistura rara de autenticidade e inspiração, juntamente com uma narrativa notável à espera de ser revelada.

A história de Daniel A história de Daniel mostra resiliência e a busca da auto-descoberta, convidando outros a se juntarem a ele numa viagem transformadora. Abraçando tanto o altos e altos e baixos inerentes ao crescimento, Daniel encontra beleza e objetivo em cada passo. Hoje, temos o prazer de vos apresentar o Daniel, um exemplo vivo de como o surf, o yoga e o espírito humano estão todos ligados. 

Fiquem atentos a mais histórias e experiências partilhadas pela comunidade do yoga e do surf em Cádiz e arredores!

Conhece o Daniel

O meu nome é Daniel Lavilla, nascido e criado no último pedaço de areia antes de saltar para a água fora da Europa, isto é San Fernando, Cádiz. Aqui, o ritmo das nossas vidas está profundamente ligado ao mar. Acredito que somos muito mais do que os nossos empregos ou títulos, que podemos ser vistos como seres humanos inteiros muito para além dessas concepções sobre o eu, por isso sinto que se tenho de falar sobre como cheguei aqui, tenho de mencionar primeiro a minha mãe, que criou quatro filhos, quatro homens na verdade, tendo o mais velho nascido com paralisia cerebral, enquanto ela também trabalhava todo o dia, a tempo inteiro. Somos uma família humilde. Ela é a maior inspiração que alguma vez poderia encontrar sobre como ser forte, corajosa, mas ao mesmo tempo bondosa e compassiva, e a razão pela qual quero continuar a aprender, a crescer e a tornar-me uma pessoa melhor. Fazer 30 anos este ano, em 2024, é surreal! Apesar de ser jovem, sei que este caminho que já percorri me ensinou tanto. Cada desafio, cada luta levou-me a este momento, partilhando a minha história convosco.

Há seis anos, atingi um ponto muito baixo, passando por um período muito negro. Lutava contra a saúde mental - ansiedade, depressão e muitos problemas físicos, que nem sequer me deixavam dormir ou sair de casa. Na altura, parecia que me estava a afogar, sem saída para a superfície. Agora olho para trás e só sinto gratidão por esses tempos, por tudo o que aprendi e por onde isso me levou. Essas situações obrigaram-me a confrontar-me comigo próprio e com as minhas sombras, a ir mais fundo, encontrando a força que eu não sabia que existia. Obrigaram-me a procurar respostas, formas de sarar e reconstruir a partir do zero. Foi nessa altura que voltei ao ioga. Desta vez, mergulhei mesmo a fundo. Não era uma cura mágica para tudo, mas era uma tábua de salvação. Era um espaço para abrandar, para me reconectar comigo própria, com a minha respiração e com o meu corpo. É uma prática que me ensinou tudo sobre autocompaixão, bondade, sobre enfrentar as minhas ansiedades e medos, ajudando-me a apoiar-me em todo esse poder e incrível resiliência que todos nós já temos.

Há sempre um caminho a seguir, para todos nós. Esta é a viagem que estou a fazer e, deixem-me que vos diga, está longe de ser perfeita. Mas é tão bonita, e estou determinada a continuar a explorá-la, a enfrentar os desafios, a aprender dia após dia. Se a minha história se identifica consigo, ou se tem curiosidade em saber o que aprendi ao longo do caminho, então junte-se a mim nesta viagem.

Como é que descobriu a sua paixão pelo surf?

Comecei a surfar quando tinha  12 anos, na verdade fui bodyboarder durante muitos anos, divertia-me imenso com isso. Éramos um grupo muito grande de miúdos malucos, que tentavam encontrar as ondas mais radicais e os tubos. Foram tempos selvagens e inesquecíveis.

Avançando para os meus vinte e poucos anos, eu estava a viver na Cornualha, Reino Unido. A maioria das ondas lá eram diferentes, e eu senti o impulso de fazer a mudança e juntar-me a todos os meus amigos que estavam a divertir-se com pranchas de surf "normais". Então, troquei a minha prancha de bodyboard por uma prancha de surf. Demorou algum tempo a adaptar-me, quer dizer, estar em cima de uma prancha, é diferente! (Sem ofensa para a minha equipa de bodyboarding, mas nunca mais olhei para trás desde então).

Ultimamente, porém, tenho-me sentido atraído por uma abordagem mais relaxada e descontraída. Tenho-me dedicado ao longboard, ou ao mid-length. É uma vibração diferente, que parece estar mais em sintonia com o ponto em que me encontro na vida neste momento. Não se trata de adrenalina, de estar sempre a correr e de ultrapassar os limites - para mim, agora, trata-se mais de fluir com a água, de estar com os amigos, de desfrutar da viagem e de encontrar uma sensação de paz e de ligação na onda, como uma dança. Acho que, no final, é tudo o que importa, abraçar o momento, estar totalmente presente na água, apanhar algumas ondas, divertir-se!

Podes descrever o que é o surf para ti? O que é que significa para ti?

O que é o surf para mim? Hm, tenho sempre dificuldade em encontrar as palavras certas para isto, porque o surf significa tantas coisas para nós, tudo, se gostas de surfar, sabes do que estou a falar. Surfar uma onda e estar no oceano é uma sensação tão diferente de tudo o resto, tão poderosa, tão bonita, que nunca nos fartamos. O que, por vezes, também nos deixa um pouco loucos durante os dias de maré baixa, longos períodos de espera sem ondas, é difícil para as nossas mentes. Também quando chegamos ao nosso spot preferido depois do trabalho e, de repente, o vento muda e já não há ondas boas. Isto pode parecer um disparate, mas vocês sabem perfeitamente do que estou a falar! Por vezes é uma vida "dura", mas é tão divertida! Temos de adorar os altos e baixos.

Começar a surfar foi uma das melhores decisões da minha vida, não trocaria o surf por nada. Não sei se isto faz sentido, mas é que se sente literalmente em todo o lado, sente-se na pele, quando o corpo toca na água salgada, também se sente quando não se toca há algum tempo, a pele fica diferente, não tão boa, sente-se no cabelo, no nariz, como é mais limpo, mais aberto, respira-se melhor, mais relaxado. A tua pele está mais bronzeada, obviamente, por isso olhas para ti no espelho com graça, temos de falar sobre isto, pessoal, adoramos um bronzeado de surfista. Tudo parece especial, vês a vida com outros olhos, e estás tão cheio de felicidade e boas vibrações. Uma boa sessão de surf, ou um par de grandes ondas, pode ser o melhor efeito que se pode ter.

Podes explicar como é que o surf desenvolveu em ti capacidades e crescimento físico, mental e/ou emocional? 

Surfar e ter esta ligação profunda com o oceano permitiu-me sentir-me realmente envolvida nestes processos e ritmos naturais da natureza, uma vez que estamos sempre focados na mudança das marés, das ondulações, dos ventos. Também me ajudou a valorizar e a observar como tudo está sempre a evoluir e a mudar, como nada é garantido e como temos de apreciar o momento em que estamos a viver, as ondas que estamos a surfar, porque no momento seguinte, ou um segundo depois, as coisas podem parecer muito diferentes. Ensina-nos realmente a sermos pacientes, ou pelo menos tentamos sê-lo. É um trabalho interminável, acho eu, e é difícil quando o nosso cérebro está à procura de dopamina ou de adrenalina, é também um vício, se olharmos para ele de uma perspetiva científica. Mas o surf não nos ensina apenas sobre a paciência ou a impermanência, também nos transforma num ser humano mais consciente, neste caso estou a falar da nossa paisagem externa, de sermos mais conscientes em relação ao planeta, de cuidar mais e melhor dos nossos oceanos, das nossas praias, de agir de forma mais sustentável e respeitar todas as vidas e diferentes formas de viver neste planeta, tudo está ligado, somos todos um.

Homo e porquê fezcomeçaste a praticar yoga?

Foi em 2013, quando descobri o Yoga pela primeira vez, graças à Alicia (@alirayoga), ela foi a minha primeira professora. No início, para mim, era simplesmente uma nova forma de me movimentar, fazer exercício, uma oportunidade de explorar diferentes alongamentos e ganhar mobilidade. O lado mais profundo da filosofia e os aspectos relacionados com o estilo de vida ainda não estavam no meu radar - não era uma coisa muito popular aqui no sul de Espanha. Demorou mais algum tempo a chegar aqui, muito mais, acho eu. Depois, tudo mudou quando enfrentei problemas de saúde mental, como referi anteriormente. Foi nesse momento que comecei verdadeiramente a mergulhar mais fundo. Voltei para o meu tapete de ioga, pelo menos duas vezes por dia, práticas longas, deixando o meu corpo exprimir-se, mover-se e fluir.

Depois, comecei a pesquisar, a ler mais sobre estas tradições e culturas, a explorar a atenção plena, a meditação, o pranayama/trabalho respiratório e também toda a fascinante ciência por detrás da nossa ligação mente-corpo. Tornou-se uma ferramenta tão poderosa para a auto-descoberta e a cura. Compreender como tudo funciona em conjunto no interior - o cérebro, o corpo e o sistema nervoso - ajudou-me a atravessar aqueles tempos difíceis e, eventualmente, a encontrar o caminho de volta para mim própria. Não estaria aqui hoje se não fosse o Yoga. Agora, este desejo de partilhar o que aprendi e me ajudou com os outros, para os apoiar, elevar e capacitar nas suas próprias jornadas, alimenta a minha paixão de continuar, de continuar a aprender todos os dias.

Porque é que começou a ensinar? Pode descrever a sua abordagem ao ensino do ioga?

Quando entrei para a minha primeira formação de professores, inicialmente não se tratava de ensinar para mim. Era mais um passo na minha viagem de auto-descoberta, pura curiosidade para aprofundar a minha prática e ligar-me a ela a um nível mais profundo. Quando a formação estava a chegar ao fim, algo fez clique na minha cabeça. Subir para o tapete, para liderar o que, na verdade, era uma meditação, não uma prática de movimento. Pela primeira vez na minha vida. Graças ao Ricardo e à Indra, os professores, porque me convidaram à frente do grupo para ser a primeira a tentar. Disseram que viram uma faísca em mim, por isso atiraram-me para o fogo, acreditando que eu tinha uma história para partilhar. É por isso que precisamos de mentores e guias nas nossas vidas, acho eu. Eles conseguem ver coisas em nós que não conseguimos ver, ou que não queremos ver. Partilhar a minha experiência pessoal e o poder transformador do ioga e das práticas de atenção plena com os outros tornou-se uma vocação. Depois de testemunhar as mudanças que trouxe à minha vida, tirando-me da escuridão e levando-me a viver a vida novamente, despertou a paixão de partilhar a minha história e guiar outros nos seus próprios caminhos. Esta experiência, com a meditação no seu centro, continua a moldar a minha filosofia de ensino atual.

Eu descreveria a minha abordagem ao ensino como autêntica, fundamentada, com uma perspetiva moderna e de mente aberta. A minha intenção é sempre criar um espaço seguro que traga o coração das pessoas com facilidade. Espiritual, sem ser místico. Penso que é muito importante distinguir estas duas coisas, que são frequentemente confundidas. A beleza do ioga reside no seu carácter prático e eu adoro desmistificá-lo com uma lente científica. Trata-se de aproveitar o que já temos dentro de nós, utilizando todas estas ferramentas que temos literalmente na palma das nossas mãos, dentro dos nossos corpos, para cultivar a sabedoria, a bondade e a compaixão - qualidades de que o nosso mundo precisa desesperadamente.

HComo tem a prática de yoga ajudou ou mudou o seu surf?

O ioga tem sido um fator de mudança para o meu surf, sem dúvida. A mobilidade que adquiri ao longo dos anos traduz-se diretamente na capacidade de me movimentar sem problemas, dentro e fora de água. Estes benefícios vão muito para além do aspeto físico. O ioga fez disparar a minha consciência mente-corpo, especialmente a minha propriocepção. É como ter um mapa interno do meu corpo - consigo sentir como as diferentes partes se ligam, se alinham e trabalham em conjunto para obter um desempenho ótimo e também uma recuperação.

Estes benefícios e a consciência estão também ligados à minha respiração. Tornou-se a minha âncora na água. Com diferentes técnicas de respiração, mantenho-me centrado e concentrado, quer esteja a remar para uma grande sessão ou a acalmar os nervos num alinhamento cheio de gente. Ajuda-me realmente a manter os pés bem assentes na terra e a recuperar quando as coisas se tornam difíceis, como uma eliminação ou quando me sinto esmagado pela competição.

Por isso, amigos, ondas grandes, filas cheias de gente, conflitos na água (espero que não seja o último) - o ioga pode equipar-vos para se manterem calmos e concentrados, independentemente da situação.

Que conselho daria aos surfistas sobre a entrada no ioga?

Sejam curiosos, experimentem coisas diferentes, estilos diferentes, não se fechem demasiado cedo. Todos sabemos que o alongamento pós-surf é fantástico, mas o ioga oferece muito mais do que isso. Aprofunda a sua flexibilidade, desenvolve a força do núcleo para poder remar e melhora o seu equilíbrio. Estará mais consciente dos seus movimentos, o que irá melhorar a sua técnica de surf e a sua confiança. O ioga constrói a tão importante ligação mente-corpo que se espalha por toda a nossa vida, dentro e fora de água. Cria uma pessoa mais equilibrada, concentrada e calma - tanto nas ondas como para navegar nas correntes da vida. O ioga e o surf partilham uma ligação natural, um ritmo, uma forma de estar presente no momento. Pode não a ver ainda, mas acredite, ela está lá. Vamos ligar-nos e descobrir esta ligação juntos, uma onda de cada vez.

Algum conselho que daria aos homens sobre a entrada no ioga?

Adoro este tema, é sempre uma conversa tão interessante. Sendo um jovem que já está neste mundo do ioga, da meditação ou de quaisquer práticas espirituais há algum tempo. Penso que é algo que precisa de ser mais falado. Sejamos honestos, o mundo do ioga pode parecer bastante dominado pelas mulheres. Mas acredite em mim, há uma equipa inteira de homens que estão a colher os benefícios. É tudo uma questão de abertura, não de exibição. Preocupado com o facto de ser julgado? Todos começamos por algum lado. O ioga não é uma competição, é uma viagem. Por isso, sim, a maioria das aulas de ioga estão cheias de mulheres, e depois? Isso não significa que não seja para si. Quer dizer, nós, como homens, não pensamos que precisamos destas coisas, mas, no fundo, temos algum medo de nos abrirmos, de partilharmos as nossas verdadeiras faces, a nossa vulnerabilidade, ou simplesmente de nos expormos numa situação que não controlamos, ou onde podemos ver as pessoas a fazer "melhor" do que nós, ou a pensar que as pessoas estão a olhar para nós a fazer "pior". Todos temos inseguranças, mas no tapete deixamos os nossos egos à porta, ninguém quer saber se não conseguimos fazer uma parada de mãos ou tocar nos pés. Precisamos de perceber que não se trata apenas de parecer mais macho, os tempos mudaram. A vulnerabilidade é o novo forte. Trata-se de nos apoiarmos e levantarmos uns aos outros, como um só, porque no final do dia, é tudo o que temos, uns aos outros, como um coletivo. Por isso, acho que devíamos tentar aparecer mais, partilhar mais. Porque este não é um trabalho que fazemos exclusivamente para nós próprios, é um trabalho que fazemos para qualquer outra pessoa que encontremos nas nossas vidas, para sermos melhores para todos. 

Fale-nos um pouco dos seus lugares preferidos em El Cádiz e El Palmar.

Nunca mudaria o sítio de onde sou. A minha terra tem um lugar especial no meu coração e, nos últimos anos, tem sido espantoso ver crescer aqui uma comunidade consciente e próspera! As nossas praias são deslumbrantes, as cidades, a comida, claro, mas também as pessoas daqui são simplesmente diferentes, tão divertidas, abertas e amáveis. Vivemos num ritmo diferente. O que me entusiasma verdadeiramente é a mudança para uma forma de vida mais consciente, agora é possível encontrar mais encontros e eventos centrados nestes tópicos do que nunca.

Nem sempre foi esse o caso. Encontrar um sentido de comunidade para os interessados em práticas alternativas costumava ser um desafio. Mas agora, há uma bela energia a fluir em El Palmar, Vejer e Caños, e em toda a área de Cádis. Trata-se de um esforço de colaboração - tanto os habitantes locais como os residentes/viajantes de inverno estão a contribuir para esta mudança positiva.

Um exemplo perfeito é La Posada del Té (@laposadadeltea). Este local acolhedor e bonito, gerido pela minha querida amiga Amaia, não é apenas um ótimo lugar para tomar uma chávena de chá ou comer os mais deliciosos brunches e bolos vegan, é um espaço para sair do barulho do mundo. Amaia, com a sua alma doce e gentil, criou com amor uma comunidade em torno do chá, da alimentação consciente, da calma e da saúde em geral. Pode encontrar práticas de meditação, workshops de chá e de culinária, eventos culturais, ou simplesmente estabelecer contacto com pessoas que partilham a sua paixão por uma ligação consciente durante uma chávena de chá ou uma fatia dos seus magníficos bolos matcha.

Outro sítio a visitar é o A-Frame (@aframe_elpalmar), em El Palmar, gerido por Katrin e Arne, um casal alemão que se mudou para cá há cerca de 20 anos, e que criou um Surf Camp, gerido de forma consciente, com uma Surf Shop na qual eu costumava trabalhar com eles. Aprecio muito os dois, e estarei sempre grato pela amabilidade com que me trataram, e por todos os amigos e contactos que lá fiz. Isto levou-me a dar aulas na sua bela Yoga House, uma casa de madeira branca, mesmo em frente ao oceano, com vistas deslumbrantes, onde se pode ver as ondas enquanto se pratica, e até ver o pôr do sol. É lá que nos ligamos e partilhamos as nossas práticas com os nossos alunos.

Fiz tantos amigos incríveis de todo o mundo através destes eventos e encontros. Aprendemos uns com os outros, partilhamos experiências e criamos juntos um cenário cultural mais estimulante. Para mim, essa é a essência da vida - ligação, corações abertos e promoção de uma vibração positiva e pacífica e de um ambiente inspirador. Digo sempre que temos, que estamos aqui para nos ajudarmos e inspirarmos uns aos outros.

O que se segue para si?

Atualmente, estou a dedicar toda a minha energia e o meu coração à construção da minha carreira como professora e formadora. Deixar o meu anterior emprego foi um salto de fé, mas permitiu-me dedicar-me totalmente a este caminho. Acredito profundamente em mim e no que tenho para partilhar com o mundo. Sejamos realistas - sair da zona de conforto e seguir a nossa paixão nem sempre é fácil. Os colegas professores que estão a ler isto provavelmente compreenderão os desafios. Mas as recompensas ultrapassam de longe as dificuldades! O facto de sermos complicados não nos impede de lutar contra as correntes e de ultrapassar todos os desafios que enfrentamos. Adoramos esta vida, adoramos partilhar as nossas energias, experiências e sabedoria com o resto do mundo e vê-los colher os mesmos benefícios que nos têm ajudado durante muito tempo. É uma vocação, um chamamento. Não ensinamos ioga ou meditação apenas para fazer algo e ganhar um salário, se quiséssemos isso escolheríamos outro caminho com algumas condições fixas ou fáceis. Por isso, agora estou a concentrar-me na criação de workshops, para poder partilhar tudo o que aprendi ao longo de anos de investigação e prática, e também criar retiros e experiências. Tudo isto enquanto me desloco pelo mundo, encontrando ligações com pessoas que pensam da mesma forma, sem sequer olhar, a vida continua a surpreender-me com colaborações tão fantásticas, como esta convosco, Manduka. Por isso, para ti que estás a ler isto, está na altura de nos ligarmos e criarmos juntos! Já sabem onde me encontrar, certo? Vamos fazer a diferença juntos. Quer seja um professor, um treinador ou alguém que esteja à procura de um professor de coração aberto e mente aberta, este é o nosso momento de nos elevarmos uns aos outros. O mundo precisa de mais pessoas como nós a apoiarem-se umas às outras e a trabalharem em conjunto.

E se é proprietário de um espaço de retiro ou está à procura de um professor apaixonado e de mente aberta, gostaria de o ouvir! Em 2022, tive a incrível experiência de ensinar nas Maldivas, foi a minha primeira e única vez fora da Europa. Estou ansiosa por ter outra oportunidade de o fazer, viajar e explorar novas culturas é um sonho que gostaria de continuar a perseguir.

Vimos que tens uma marca de roupa com o teu irmão - podes falar-nos disso?

A nossa marca de roupa, Arrecife (@arrecifesurfco), que significa "recife" em espanhol, é um projeto com muito potencial. O meu irmão Javier (@javilavilla) lançou-o enquanto eu estava no estrangeiro, e eu entrei no momento em que regressei. Não somos apenas irmãos, somos os melhores amigos. Com apenas um ano de diferença, crescemos a surfar juntos, a frequentar os mesmos círculos e a construir uma ligação inquebrável. A mentalidade trabalhadora do meu irmão complementa na perfeição a minha criatividade, fazendo de nós uma equipa forte. Esta paixão partilhada pelo surf, pelo oceano e pela criação de algo com significado é a força motriz por detrás de Arrecife.

Neste momento, estamos a construir os alicerces, tijolo a tijolo. Temos visto um apoio e vendas incríveis, mesmo com o tempo limitado que podemos dedicar. É uma prova da comunidade fantástica que cultivámos! Obrigado a todos que estão a apoiar e a representar Arrecife lá fora!

A vida pode ser um ato de equilíbrio, e concentrar toda a nossa energia em Arrecife não é viável neste momento. Mas aqui está a parte emocionante: temos uma visão clara para o futuro de Arrecife. Quando estivermos prontos para dedicar mais recursos, estaremos a impulsionar o Arrecife para  a maiores alturas. O potencial e o apoio do nosso pessoal estão lá. 

Entretanto, estamos empenhados em alimentar a nossa comunidade que tanto nos tem apoiado. Esteja atento - temos algumas coisas interessantes em preparação para si!

Gostaria de partilhar mais alguma coisa com a comunidade?

Uma mensagem para toda a comunidade do ioga, para os meus colegas professores de ioga: vamos mudar a narrativa, deixando para trás as poses perfeitas do Instagram e mostrar o nosso verdadeiro eu. Somos todos estudantes, estamos a aprender e a crescer. Estamos todos na nossa própria jornada, e celebrar o progresso uns dos outros é o que faz do yoga uma comunidade tão poderosa. O mundo do ioga está a evoluir e é altura de derrubar as barreiras. Vamos traduzir estas tradições em algo que ressoe com as nossas vidas modernas. Não se trata de abandonar as raízes, mas sim de as tornar relevantes para os homens e as mulheres de hoje, para todos nós.

Ligações com Daniel

Seguir Daniel em Instagram ou contacte-o aqui

Ouvir


Partilhando boas vibrações + os melhores tapetes, vestuário e equipamento de ioga desde 1997.

Partilhando boas vibrações + os melhores tapetes, vestuário e equipamento de ioga desde 1997. #inspirethepractice

Related Products